MENU
Estados
Modo escuro
Menu
Início O plano do Brasil para transformar onda do mar em energia, projeto em larga escala poderia suprir pelo menos 35% da demanda nacional de eletricidade

O plano do Brasil para transformar onda do mar em energia, projeto em larga escala poderia suprir pelo menos 35% da demanda nacional de eletricidade

30 de janeiro de 2024 às 21:11
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
O plano do Brasil para transformar onda do mar em energia, projeto em larga escala poderia suprir pelo menos 35% da demanda nacional de eletricidade
Foto: Divulgação/Projeto ondomotriz no Brasil

O Brasil, com seu extenso litoral e condições climáticas favoráveis, embarca em uma jornada ambiciosa para transformar a energia das ondas do mar em uma fonte de energia elétrica limpa e renovável. No estado do Ceará, conhecido por seu clima tropical semiárido e por ser o lar de grandes nomes da literatura, surge um projeto pioneiro para explorar o potencial da energia ondomotriz.

A energia ondomotriz, extraída do movimento das ondas, representa uma fonte inesgotável e sustentável. O Ceará, já um líder em energia eólica, agora busca diversificar sua matriz energética com a primeira usina de ondas da América Latina. Veja o desenvolvimento desse projeto inovador e seus desafios.

O Porto de Pecém e a Usina de Ondas

Localizado em São Gonçalo do Amarante, a 60 km de Fortaleza, o porto de Pecém é o ponto estratégico para a usina de ondas. Com um planejamento inicial de gerar até 100 kW, suficiente para abastecer 60 casas, o projeto começou em 2004 em cooperação entre a COPPE/UFRJ, o governo do Ceará e a Eletrobras. Apesar de desafios e mudanças, o projeto foi um marco para a energia renovável no Brasil.

Artigos recomendados

A usina de ondas, construída com tecnologia 100% nacional, consiste em flutuadores, braços mecânicos e uma bomba hidráulica. O movimento das ondas aciona a bomba, gerando energia elétrica. No entanto, o projeto enfrentou desafios como a impermeabilização e a necessidade de adaptação às características locais das ondas. Ainda assim, representou um passo significativo para a compreensão da viabilidade da energia ondomotriz no Brasil.

Comparativo internacional e potencial do Brasil

O Brasil, com mais de 7.000 km de costa, tem um potencial estimado de 91,8 GW para energia de ondas. Para colocar em perspectiva, apenas 1/5 desse potencial poderia abastecer cerca de 35% da demanda elétrica do país. Em comparação com outras iniciativas internacionais, como a usina de La Rance na França e o parque de ondas Aguçadoura em Portugal, o projeto brasileiro destaca-se pela sua abordagem inovadora e sustentável.

Futuro da energia ondomotriz no Brasil

Apesar dos avanços e do potencial, o caminho para a energia ondomotriz no Brasil ainda é desafiador. O projeto de Pecém foi desativado em 2004, mas a busca por fontes renováveis continua. Com a crise hídrica e energética, cresce a necessidade de explorar alternativas sustentáveis, e a energia das ondas permanece uma opção promissora para o futuro energético do Brasil.

O plano brasileiro de transformar a energia das ondas do mar em eletricidade é um testemunho do compromisso do país com a sustentabilidade e a inovação. Embora o projeto de Pecém tenha enfrentado obstáculos, ele pavimentou o caminho para futuras pesquisas e desenvolvimentos no campo da energia ondomotriz. A energia das ondas do mar, com seu imenso potencial, pode ser uma chave vital para um futuro energético mais verde e sustentável no Brasil.

Relacionados
Mais recentes