Em meio à pandemia, nova companhia aérea regional quer estrear no Brasil com obras planejadas para 2021

Valdemar Medeiros
Valdemar Medeiros
por
-
28-07-2020 17:02:24
em Indústria e Construção
Companhia aérea, pandemia, vagas Avião da companhia aérea nellas sobrevoando

A Nella Linhas Aéreas pretende voar nas regiões mais pobres do país com turboélices ATR 42

Em meio a um ambiente de incerteza devido à pandemia de coronavírus, o mercado de aviação comercial no Brasil está passando por uma grave crise, com empresas sucumbindo e outras pedindo falência. Mas, mesmo nesse cenário, há quem o veja como um bom momento para lançar uma nova companhia aérea. É isso que a Nella Linhas Aéreas pretende em 2021.

Continua Depois do Anúncio

Leia também:

Fundada por um grupo brasileiro formado por uma holding no Panamá e fundos de investimento, a nova companhia aérea regional está preparando os documentos para solicitar o registro junto às autoridades brasileiras de aviação civil, mas alega já ter providenciado a compra de quatro aeronaves ATR 42 . que será usado nas primeiras rotas.

Nella anteriomente era alvo de hackers

Apesar de mal divulgar seus planos, Nella já havia sido considerada uma farsa porque era alvo de hackers que usavam o nome da empresa para capturar dados de pessoas interessadas em vagas de emprego. Em entrevista à Airway , Mauricio Souza, CEO da empresa, lamentou o episódio: “Nella nunca pediu a ninguém para preencher vagas em qualquer lugar”, disse ele.

O empresário brasileiro, que mora nos EUA, revelou que a nova empresa terá seu principal polo em Brasília, capital federal do Brasil, mas que os planos prevêem outros três polos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, precisamente as rotas aéreas mais pobres e carentes.

Estratégia

“Nosso foco principal é reduzir o preço dos bilhetes ao extremo, oferecendo não apenas o baixo custo, mas também a baixa tarifa”, disse ele. Para manter sua operação em um nível de baixo custo, a Nella deve adquirir o ATR 42 em vez de alugá-lo. A companhia aérea também recebeu uma injeção de capital de fundos estrangeiros, mas Mauricio garante que a empresa é 100% brasileira.

“Vejo as dificuldades (do mercado brasileiro) que são enormes, mas vejo uma oportunidade como empreendedor. Vi a possibilidade de ser um mercado atraente, financeiramente falando, no entanto, um mercado carente que poderia ser melhorado. Com tudo o que está acontecendo no Brasil, o fechamento da empresa, decidi ‘agora é hora de lançar a empresa’. ‘Mas e a crise?’, Eu disse ‘a crise existirá enquanto os empreendedores estiverem com dinheiro’ ”.

Tags: