Friday, 20 de May de 2022

Especialistas afirmam que a prática de reutilização de materiais na construção civil pode ser uma alternativa para os problemas de descarte

O descarte e a transformação de obras em entulho de forma desenfreada podem ser resolvidos com a reutilização de materiais provenientes da Construção Civil

O descarte e a transformação de obras em entulho de forma desenfreada podem ser resolvidos com a reutilização desses materiais

A discussão sobre os impactos ambientais, em especial no setor de Obras e construção civil, são cada vez mais frequentes e o descarte de materiais pode ser um problema nos anos futuros. Pensando nisso, alguns especialistas discutiram sobre o tema e afirmaram, nesta última segunda-feira, (25/10), que a reutilização desses materiais pode ser uma alternativa viável para esse problema.

Leia também:

A transformação de obras em entulhos e o descarte inadequado podem potencializar os impactos ambientais no setor da construção civil 

Atualmente, um dos principais problemas que cercam o setor da construção civil é o descarte inadequado dos materiais. Isso acontece pois, a demanda de reconstrução e reformas em obras já finalizadas ao redor do país inteiro só cresce e, para atender a essas necessidades, as construtoras optam por transformar as obras em entulho, demolindo-as, por se tratar de um processo mais rápido e prático para essas empresas. 

Entretanto, essa não é a alternativa mais ecológica e muito menos a mais rentável, uma vez que os entulhos das construções não são reutilizados em futuras obras. Esse problema poderia ser resolvido se, enquanto as construções ainda estivessem de pé, partes desse local que pudessem ser reaproveitados fossem retirados para a reutilização em outros projetos. 

Reutilizando materiais que seriam jogados no lixo, pode ser uma ótima forma de ajudar na preservação ambiental. Fonte: Archdaily
Reutilizando materiais que seriam jogados no lixo, pode ser uma ótima forma de ajudar na preservação ambiental. Fonte: Archdaily

Segundo dados do 2020 Global Status Report for Buildings and Construction, o setor da construção civil conseguiu, no ano de 2019, atingir o seu máximo de emissão de poluentes, com cerca de 38% de emissão global de CO2. Tal dado comprova que essa área está longe de cumprir com os acordos e tratados internacionais em relação à emissão de gases poluentes na atmosfera. 

Além disso, os especialistas afirmam que o problema dos impactos ambientais é só uma das consequências do modelo atual de construção, que visa a agilidade acima de qualquer outra coisa e não reutiliza os materiais, o que poderia evitar os impactos ao meio ambiente que o setor causa.

Reutilizar os materiais da construção civil causa menos impactos ao meio ambiente e pode ser uma alternativa viável 

O modelo atual e estagnado da construção civil pode ser facilmente revertido se as companhias começarem a reutilizar os materiais das construções, segundo os especialistas. A ferramenta de pensamento sistêmico Análise dos Ciclos de Vida (ACV) calcula que os impactos causados pela reutilização desses materiais pode ser de 2 até 12 vezes menor em relação à utilização de novas matérias-primas nas construções futuras. 

Os materiais e componentes de um edifício podem ser reutilizados em diversas instâncias, basta apenas uma análise profunda sobre como essa obra foi pensada, para então fazer o desmonte da construção. Assim, as companhias conseguem “desmontar” o edifício, de maneira a conseguir reutilizar partes até mesmo como janelas e portas, que antes seriam destruídas em meio à demolição da obra. 

Essa discussão acerca de transformar a construção civil em um setor mais ecológico e causar menos impactos ao meio ambiente vem fazendo com que algumas empresas adotem essa forma de reutilização dos materiais, seja por meio da desmontagem das construções ou até mesmo da comercialização de partes que podem ser reutilizadas em projetos futuros. 

O método da desmontagem, além de ser útil para as empresas, que poderão usufruir desses materiais em outros projetos, é uma forma de trazer novas interpretações para a construção civil e reinventar esse modelo defasado de destruição e substituição por novos materiais.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.