Friday, 20 de May de 2022

Indústria de cimento em Minas Gerais busca mais sustentabilidade para a produção

Companhias da indústria de cimento de Minas Gerais estão procurando alternativas que tragam mais sustentabilidade na produção

As grandes companhias da indústria do cimento de Minas Gerais estão procurando alternativas que tragam mais sustentabilidade e redução na emissão de CO2 para a produção

A corrida em busca de um futuro com mais sustentabilidade e menos impactos ambientais está cada vez mais presente no mundo inteiro a indústria do cimento de Minas Gerais pretende acompanhar a iniciativa. Os representantes anunciaram, nesta última sexta-feira, (12/11), que estão na Expo Dubai buscando alternativas que contribuam para a redução na emissão de CO2 na produção deste produto.

Veja também:

Companhias da indústria do cimento em Minas Gerais querem aumentar a produção com mais sustentabilidade 

Minas Gerais é o maior produtor de cimento de todo o Brasil, representando quase um quarto da produção nacional, e as grandes companhias da indústria do cimento na região estão buscando novas formas de produzir esse produto com mais sustentabilidade e menos emissão de CO2. Alguns representantes estão participando da Expo Dubai, nos Emirados Árabes, em busca de alternativas ecológicas para as suas operações no estado. 

O  presidente-executivo do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic) e da Associação Brasileira de Cimento Portland, Paulo Camillo Penna, comentou acerca da iniciativa da indústria do cimento de Minas Gerais e afirmou que “a ideia é que a gente tenha olhares principalmente para uma indústria que contribui com a construção, a mobilidade e a infraestrutura, com menor formação de resíduos, mais moderna e com sustentabilidade ESG (environmental, social and governance – ambiental, social e governança, em português)”.

A participação dos representantes locais na Expo Dubai simboliza mais um passo em busca de um futuro com mais sustentabilidade e redução na emissão de CO2 na atmosfera. Assim, o que a indústria do cimento de Minas Gerais busca é atrelar essas práticas sustentáveis à sua produção, sem deixar de lado a expansão na produtividade local, uma vez que o estado é o maior produtor de todo o país. 

Indústria do cimento em Minas Gerais está preocupada com o avanço da mobilidade urbana e a emissão de CO2

A Expo Dubai é um evento que está acontecendo desde outubro de 2021 e irá até março de 2022, com o objetivo de apresentar novas alternativas para um futuro com mais sustentabilidade e redução na emissão de CO2. O principal ponto discutido no evento pela indústria do cimento de Minas Gerais é a questão do avanço da população nas áreas urbanas, que deverá chegar em 80% nos próximos 30 anos e potencializar a emissão de CO2 na atmosfera, intensificando ainda mais os impactos ambientais como o aumento do efeito estufa. 

Paulo Camillo Penna também destacou alguns pontos importantes em relação à preocupação das companhias e afirmou que “há uma enorme preocupação com a mobilidade nas cidades e uma tentativa efetiva de reduzir as emissões de gases de efeito estufa”, ressalta. “A Indústria de Cimento é uma das maiores emissoras de CO2, só que enquanto a média mundial representa 7% das emissões, no Brasil, é 2,3%. No país, para cada tonelada de cimento são emitidos 564 quilos de CO2, enquanto a média global é 620 quilos. Isso demonstra que a gente tem feito avanços no desenvolvimento de novas tecnologias, em inovação, mas queremos mais”.

Assim, o que se espera para os próximos anos é a união da sustentabilidade à produção de cimento no estado de Minas Gerais, o que contribuirá ainda mais para a redução na emissão de CO2 e para a minimização dos impactos ambientais, além de continuar com a crescente produção na região.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.